Tags

, , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

O mercado da moda deve ser pensado como gerador de trabalho, de bens, como um sistema comercial que alimenta tanto a própria cadeia têxtil-confecção, como as áreas de mídia, ou seja vai muito além de semanas de moda e passarelas, a cadeia produtiva da moda e do Setor de Vestuário é enorme, envolve grandes e pequenas indústrias têxteis e de confecção; Gemas, jóias e afins, couro, calçados, artefatos, envolve também áreas de mídias e o mercado informal, que se fossem incorporados aos dados que aqui estão apresentados, os números seriam muito maiores!

  • O Setor têxtil e de confecção possui um grande destaque na economia nacional, em 2007 participou com 4,7% do PIB nacional.
  • Segundo a ABRAVEST, a região Sudeste é responsável por 50,5% da produção nacional de vestuários.
  • O consumo per capita de artigos têxteis e de vestuário cresceu 9,2% no Brasil em 2006.
  • No Brasil operam cerca de 17.400 unidades fabris no Setor (em escala industrial).
  • O Setor emprega mais ou menos 1,65 milhões de pessoas, das quais 75% são mulheres.
  • É o 2º maior empregador da indústria de transformação*.
  • Em 2007 exportou US$ 2,4 bilhões e importou US$ 3 bilhões, principalmente da China.
  • Representa 17,5% do PIB da indústria de Transformação e cerca de 3,5% do PIB total do país.
  • Em 2005 o Brasil era o 8º produtor do mundo em tecidos, em 2007 passou a ser o 6º!
  • Somos o 2º maior produtor de Denim* do mundo.

 *Indústria de Transformação – indústria que transforma matéria-prima em um produto final ou intermediário para outra indústria de transformação.

*Denim – é um tipo de tecido de algodão em que somente os fios do urdume (longitudinal) são tingidos com corante índigo, normalmente com ligamento sarja. É a matéria-prima para a fabricação de artigos Jeans.

*Os números acima são de 2007 da ABIT ( Associação Brasileira da Indústria Têxtil) e ABRAVEST (Associação  Brasileira do Vestuário), não os encontrei atualizados!

O Reflexo de tudo isso podemos ver não somente em números, mas também, como termômetro, observando o sucesso crescente dos talentos brasileiros no exterior a cada novo desfile nas principais capitais da moda, como Milão, Londres, Paris, Nova York e em feiras e eventos de todo o mundo. E nem preciso citar também, as nossas principais semanas da moda que acontecem em São Paulo e Rio de Janeiro, certo?

Isto é resultado de investimentos de Us$ 8 bilhões nos últimos anos destinados à modernização do parque fabril, a aquisição e desenvolvimento de novas tecnologias e à capitalização de colaboradores. O Setor têxtil tem planos de investir mais US$12 bilhões nos próximos anos segundo a ABIT.

O crescimento deste setor e todas as oportunidades decorrentes dele, geram proporcionalmente, um mercado mais profissionalizado mantendo-se sempre competitivo.

Logo, quem se profissionaliza, sai na frente. Apesar do ensino de moda ser relativamente novo no Brasil. Hoje contamos com diversas faculdades, pós-graduações e cursos livres na área de moda, a fim de deixar o amadorismo de lado. Não basta ter talento, precisamos estudar, ter uma formação acadêmica para bem atuar na área.

Em nossa região, mais exatamente em São José dos Campos – SP, temos o SENAC com pós – graduação lato sensu em Negócios da Moda: da Concepção da Marca ao Desenvolvimento do Produto, inclusive as inscrições já estão abertas! Uma bela oportunidade para quem deseja se inserir no meio, quem já está e quer melhorar!

Mais informações aqui!

Fontes:

www.designbrasil.org.br/

http://www.abit.org.br/

http://www.abravest.org.br/

moda.terra.com.br/

www.sp.senac.br/saojosedoscampos

www.sp.senac.br/

http://www.fashionbubbles.com/

Por fim agradeço ao SENAC, não só por apoiar e engrandecer o mercado da moda em nossa região, mas também por apoiar nós blogueiros.